sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Suzanne Valadon








Suzanne Valadon
1867-1938

A modelo, que se tornou pintora notável.






Marie-Clémentine Valade, nasceu na pequena cidade de Bessines, no nordeste de França a 23 de Setembro de 1867, filha de uma costureira e de pai desconhecido. Com a idade de cinco anos, mudou-se para Valadon, Paris com sua mãe. As duras condições de trabalho, levaram a mãe de Marie a entrega-la a uma instituição religiosa para ser educada, e lá frequentou a escola por alguns anos. Aos 11 anos empregou-se como aprendiza numa modista de alta-costura.
Ainda criança também trabalhou com um fabricante de grinaldas fúnebres, vendeu legumes e foi empregada de mesa
A mãe de Marie tinha uma loja no impasse Guelma em Montmartre, Marie começou por ajudar a mãe na loja, e ficou fascinada pelo estilo de vida boémio, aparentemente gratuito, fácil e alegre.
Ainda adolescente, Valadon fez amizade com alguns artistas do bairro de Montmartre. Esses artistas ajudaram Valadon a conseguir um emprego como acrobata no circo Mollier. Em Março de 1880, Valadon caiu de um trapézio e lesionou-se nas costas. Este episódio fez que Valadon chamasse a atenção do pintor Pierre Puvis de Chavannes e assim começou a sua carreira como modelo. Valadon posou para várias obras de Puvis e possivelmente envolveu-se amorosamente com ele. Valadon também pousou para outros grandes pintores impressionistas, incluindo Auguste Renoir e Henri de Toulouse- Lautrec, com quem ela teve um longo relacionamento
Valadon, pousando

A Bebedoura, de Toulouse-Lautrec
Modelo, Suzanne Valadon
Óleo sobre cartão, 1889 - Museo V.V.G. (Amesterdão)

La Buveuse, Obra de Toulouse-Laitrec
Modelo, Suzanne Valadon
Óleo sobre tela, Fogg Art Museum, Harvard University (Estados Unidos)

La Natte, retrato de Suzanne Valadon por Auguste Renoir
Óleo sobre tela, 1884
(Baden, Fondation Langmatt)  

O Baile da cidade, obra de Auguste Renoir
modelo Suzanne Valadon
Óleo sobre tela, 1883
Museu D'orsay, Paris
Como modelo de artistas, Valadon tornou-se um membro activo da comunidade artística de Montmartre onde era conhecida apenas por Maria, mas ela adoptou o nome de Suzanne e ficaria conhecida como Suzanne Valadon nas artes.
Em 1881 Valadon começou um relacionamento com o espanhol Miguel Utrillo e em 26 de Dezembro de 1883, deu à luz um filho ilegítimo, Maurice Utrillo, que mais tarde se tornou um pintor de renome por mérito próprio. Valadon não tinha a certeza de quem era o pai de seu filho, mas Miguel Utrillo reconheceu formalmente o menino em 1891, embora outros possíveis pais tenham sido sugeridos, incluindo Puvis, Renoir, e um outro artista jovem chamado Paris Boissy. Valadon confiou o filho aos cuidados de sua mãe, para poder voltar a trabalhar como modelo.
Valadon, ao mesmo tempo que fazia de modelo começou a desenhar a lápis e pastel, sendo as suas primeiras obras conhecidas um Auto- Retrato, a pastel e um desenho de sua mãe, a que chamou A Avó.
Durante meados da década de 1880, Valadon produziu muitos desenhos de pessoas e de cenas da rua, tornando-se uma artista totalmente autodidacta ao longo dos anos.
Em 1890 ela tornou-se amiga do pintor Edgar Degas, que depois de ver alguns dos seus trabalhos incentivou-a a tornar-se artista. Degas comprou-lhe algumas das suas obras e ajudou-a no seu início de carreira. Graças ao incentivo e ajuda de Degas, em 1894 Valadon tornou-se a primeira mulher a expor na Société Nationale des Beaux-Arts
Em 1896 Valadon casa com Paulo Mousis, que lhe dá uma estabilidade financeira, permitindo-lhe deixar a actividade de modelo e dedicar-se ao desenho e à pintura a tempo inteiro.
O filho de Valadon, Maurice, começa a ter problemas alcoólicos. Valadon incentiva o filho a pintar como forma de terapia, Maurice demonstra talento artístico, mas os problemas agudizam e em 1904, Maurice é internado num hospital de doenças mentais para tratamento clínico.
O casamento de Valadon com Paulo Mousis, foi um casamento problemático desde o início, e em 1906, Valadon conhece um amigo de seu filho, André Utter, um jovem pintor, com quem Valadon vai começar uma relação. Valadon tinha 44 anos e Utter 23.
André Utter

Esta nova relação dá-lhe novo ânimo para se dedicar à pintura, produzindo um número significativo de quadros pela primeira vez em muitos anos. Entre essas obras figuram: Verão, Após o Banho e Adão e Eva. Este último quadro, com base em Valadon e o seu jovem amante, foi a primeira obra executada por uma artista feminina a mostrar juntos uma mulher e um homem nu.
Adão e Eva, 1901 (Obra de Suzanne Valadon)
Óleo sobre tela, 162 x 131 cm
Museu Nacional de Arte Moderna, Paris
Em 1910 Valadon divorciou-se oficialmente. Após a dissolução do seu casamento, Valadon continuou a pintar. Ainda em 1910 pintou a sua primeira paisagem e o seu primeiro auto-retrato nu.
Os próximos anos de Valadon foram passados em Montmartre, onde vivia junto com o amante e o filho, subsistindo do produto do seu trabalho artístico. Por altura da Primeira Grande Guerra, Utter foi como voluntário para a guerra, mas casou antes com Valadon para esta poder receber o subsídio militar.
Retrato de Suzanne Valadon pintando
Nos anos seguintes, morre a mãe de Valadon, Utter é ferido na guerra, Maurice é novamente internado devido ao álcool, pelo que a actividade artística não foi das mais produtivas.
Em 1924 Valadon assinou um contrato com a galeria de arte Bernheim-Jeune, permitindo-lhe mais uma vez viver com conforto financeiro. Comprou uma propriedade rural chamada Saint- Bernard e passou lá grande parte do seu tempo.
Durante o ano de 1930 a saúde Valadon começou a degradar-se lentamente.
Em 1935, deu entrada no hospital com complicações de diabetes e disfunção renal. Nesse mesmo ano, seu filho casou-se e deixou a casa de sua mãe. Utter também havia saído, embora nunca tenha chegado a divorciar-se de Valadon.
A vida de Valadon continuou a ser preenchida com os amigos, e a arte.
Em 1937, o prestigiado Musée du Luxembourg comprou três das suas pinturas, assim como muitos dos seus desenhos.
Valadon morreu a 7 de Abril de 1938 com 72 anos de idade.
Retrato de Erik Satie
Óleo sobre tela
Museu Nacional de Arte Moderna, Paris

L'étui à Violon, 1923
Óleo sobre tela
Museu Nacional de Arte Moderna, Paris


A sua obra totaliza mais de 475 pinturas, quase 275 desenhos e 31 gravuras, o que não inclui muitas obras destruídas ou perdidas ao longo dos anos.
Valadon foi sempre lembrada pelos muitos casos de amor e por ser mãe do proeminente pintor francês Maurice Utrillo. No entanto, no fim do século XX, Valadon foi reconhecida como um dos mais notáveis artistas do sexo feminino da época.


Fonte: notablebiographies

Sem comentários:

Publicar um comentário