sábado, 7 de maio de 2011

Pop Art

Pop Art
Quando o quotidiano invade a arte


A Pop Art é um movimento artístico que floresceu nos finais dos anos 50 e 60, sobretudo nos Estados Unidos e no Reino Unido. A “paternidade” do nome é atribuída ao crítico de arte Lawrence Alloway, que fazia assim alusão à utilização, pelos artistas deste movimento, de objectos banais do quotidiano nas suas obras. Nos Estados Unidos, Claes Oldenburg, Andy Warhol, Tom Wesselman e Roy Lichtenstein — e do outro lado do Atlântico David Hockney e Peter Blake — foram as suas figuras de proa.
A Arte Pop é considerada como uma reacção ao Expressionismo Abstracto, um movimento artístico, liderado entre outros por Jackson Pollock. O Expressionismo Abstracto, que floresceu na Europa e nos Estados Unidos nos anos 50, reforçava a individualidade e expressividade do artista rejeitando os elementos figurativos. 

Pelo contrário, o universo da Arte Pop nada tem de abstracto ou de expressionista, porque transpõe e interpreta a iconografia da cultura popular. A televisão, a banda desenhada, o cinema, os meios de comunicação de massas fornecem os símbolos que alimentam os artistas Pop. O sentido e os símbolos da Arte Pop pretendiam ser universais e facilmente reconhecidos por todos, numa tentativa de eliminar o fosso entre arte erudita e arte popular.

A Pop Art também reflectia a sociedade de consumo e de abundância na forma de representar. As garrafas de Coca-cola de Warhol, os corpos estilizados das mulheres nuas de Tom Wesselman — onde se evidencia o bronzeado pela marca do bikini — ou ainda os objectos gigantes de plástico, como o tubo de pasta de dentes de Claes Oldenburg, são exemplos da forma como estes artistas interpretavam uma sociedade dominada pelo consumismo, o conforto material e os tempos livres. 
As peças dos artistas da Pop também iam buscar as suas referências à produção industrial. Veja-se, por exemplo, a repetição de um mesmo motivo nas serigrafias de Warhol ou as telas gigantes de Lichtenstein onde, ao ampliar as imagens de banda desenhada, o artista revela os pontos de cor inerentes à reprodução tipográfica.

Nos Estados Unidos e no Reino Unido, a Arte Pop teve expressões diferentes e alguns críticos consideram que a corrente americana foi mais emblemática e agressiva que a britânica. Na altura, a Pop Art foi acusada pelos críticos de ser frívola e superficial, e mal compreendida pelo público. Mas foi um marco decisivo.

Fonte: Dossier – Jornal “O Público”, 2002 por Cláudia Castelo

James Rosenquist (1933 Dakota do Norte - )
Marilyn Monroe I, 1962
Óleo e pintura à pistola sobre tela, 236,2 x 183,30 cm
Moma, Mova Iorque
Colecção Sidney e Harriet Janis

Andy Warhol (1930-1987)
The Teenty-Five Marilyns, 1962
Serigrafia sobre acrílico sobre tela, 205,70 x 169,50 cm
Moderna Museet, Estocolmo

Peter Phillips (1939-)
Apenas para Homens. Estrelas MM e BB, 1961
Óleo e colagem sobre tela, 274,30 x 152,40 cm
Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian
Lisboa, Portugal

Tom Wesselmann
Grande Nu Americano Nº. 54, 1967
Óleo, acrílico e colagem sobre tela com diversos objectos e sonorização
177 x 215 x 99,06 cm
Museum Moderner Kunst, Viena, Austria

Tom Wesselmann
Grande Nu Americano Nº. 98, 1967
cinco telas sobrepostas a três planos, 250 x 380 x 130 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Andy Warhol
Fechar antes de Riscar o Fósforo (Pepsi-Cola), 1962
Acrílico sobre tela, papel de vidro, 193 x 137 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Tom Wesselmann
Natureza morta Nº. 20, 1962
Colagem com pintura, papel madeira e vários objectos
104,14 x 121,92 x 13,97 cm
Albright-Knox Art Gallery, Buffalo (NY)

Roy Lichtenstein
Díptico Eddie, 1962
Óleo sobre tela, dois painéis, 111,80 x 132,10 cm
Colecção Particular, Paris

James Rosenquist
Sem Título (Joan Crawford diz ...), 1964
Óleo sobre tela, 92 x 78 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Andy Warhol
Liz, 1965
Serigrafia sobre tela, 106 x 106 cm
Colecção Particular

Peter Blake
Auto-Retrato com Insígnias, 1961
Óleo sobre madeira, 174,30 x 121,90 cm
Tate Gallery, Londres

Andy Warhol
Auto-Retrato, 1967
Acrílico e Serigrafia sobre tela, 180 x 183
Colecção Saatchi, Londres

Jim Dine
Duplo Auto-Retrato Isométrico (Robe de Quarto), 1964
Óleo, madeira e metal sobre tela, 144,80 x 214,60 cm
Whitney Museum of American Art, Nova Iorque

Roy Lichtenstein
Art, 1962
Óleo sobre tela, 91,40 x 172, 70 cm
Colecção Goedon Locksley, Mineápolis

Eduardo Paolozzi
Fui o Brinquedo de Um homen Rico, 1947
Colagem sobre papel, 35,50 x 23,50 cm
The Tate Gallery, Londres

Richard Hamilton
O que será que torna os interiores das nossas casas de hoje tão diferentes, tão sedutores?, 1956
Colagem, 26 x 25 cm
Kunsthalle Tubingen, Tubinga, Alemanha

Peter Blake
Na Varanda, 1955-57
Óleo sobre tela, 121,30 x 90,90 cm
The Tate Gallery, Londres

James Rosenquist
Presidente Eleito, 1960-61
Óleo sobre placa de Aglomerado, 213,40 x 365,80 cm
Centro Georges Pompidou, Paris

Larry Rivers
Amizade entre os Estados Unidos e a França (Kennedy e De Gaulle), 1961-62
Óleo sobre tela, 130 x 194,30 x 11,10 cm
Marlborough Gallery Inc., Nova Iorque

Richard Lindner
Casal, 1961
Óleo sobre tela, 94 x 63 cm
Galerie Claude Bernard, Paris

Red Grooms
Hollywood (Jean Harlow, 1965
Acrílico sobre madeira, 78,40 x 89 x 30,50 cm
Smithsonian Institution, Hirshhorn Museum and Sculpture Garden
Washington (DC)

Wayne Thiebaud
Cake counter (Expositor de bolos), 1963
Óleo sobre tela, 93 x 183 cm
Museum Ludwig, Colónia Alemanha

Claes Oldenburg
Pastry Case (Vitrina de Bolos), 1961-62
Pintura esmaltada sobre nove esculturas de gesso numa vitrina de vidro,
52,70 x 76,50 x 37,30 cm
Colecção Sidney e Harriet Janis
Moma, Nova Iorque

Tom Wesselmann
Paisagem Nº. 2, 1964
Papel, fotografia, Óleo e relevo sobre tela, 193 x 239 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Mel Ramos
Hippopotamus, 1967
Óleo sobre tela, 180 x 247 cm
Sarrebruck, Saarland Museum, Colecção Ludwig

Alex Katz
O Sorriso Vermelho, 1963
Óleo sobre tela, 200 x 291,50 cm
Whitney Museum of American Art, Nova Iorque

Edward Ruscha
Actual Size, 1962
Óleo sobre tela, 182,90 x 170,20 cm
County Museum of Art, Los Angeles

David Hockney
Homem no Museu (ou voçê está no filme errado), 1962
Óleo sobre tela, 147,30 x 52,40 cm
The Arts Council of Great Britain, Londres

Howard Kanovitz
As Pessoas, 1968
Acrílico sobre tela montado num painel de plástico,
172 x 175 x 10 cm
Wilhelm-lehmbruck.Museum, Duisburgo, Alemanha

Arman
Amontoado de Cafeteiras, 1961
Cafereiras Esmaltadas numa vitrina, 83 x 142 x 42 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Martial Raysse
Bel Eté Concentrado, 1967
Serigrafia sobre plástico, 198 x 50 cm
Suermondt-Ludwig-Museum, Aquisgrano, 
Martial Raysse
Quadro de Grande Tensão, 1965
Pintura a óleo, pintura Fluorescente, pó, construção-colagem,
162,50 x 97,50 cm
Stedelijk Museum, Amesterdão

Mimmo Rotella
Cinemascópio, 1962
Decolagem, 173 x 133 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Kurt Schwitters
Médico de doentes mentais, 1919
Montagem, diversas técnicas sobre tela, 48,50 x 38,50 cm
Marlborough Fine Art Ltd., Londres

Robert Rauschenberg
Canyon, 1959
Técnica mista, 219,70 x 179,10 x 57,80 cm
Sonnabend Gallery, Nova Iorque

Robert Rauschenberg
Odalisca, 1955-58
Madeira, tecido, arame, erva, papel, fotos, metal, galo ampalhado,
205 x 44 x 44 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Andy Warhol
Sopa de Vaca e Legumes, 1962
Óleo sobre tela, 274,30 x 152,40 cm
Galerie Bruno Bischofberger, Zurique

Andy Warhol
Faça Você Mesmo (Flores), 1962
Acrílico e Serigrafia sobre tela, 175 x 150 cm
Colecção Particular, Zurique

Roy Lichetenstein
Rapariga, 1965
Magna sobre tela, 152 x 152 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Roy Lichtenstein
Trompe-l'oeil com Cabeça de Léger e Trincha, 1973
Magna sobre tela, 116 x 91,40 cm
Colecção Particular

Claes Oldengurg
Sanita (Modelo Duro), 1966
Laca e feltro sobre cartão ondulado e construção em madeira
111,80 x 71,10 x 83,80 cm
Museum fur Moderne Kunst, Francoforte do Meno

Peter Blake
Bo Diddley, 1963
Acrílico e fita gomada sobre aglomerado, 122 x 76 c,
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Peter Blake
Auto-Retrato, 1949
Óleo sobre madeira
Waddington Galleries, Ltd., Londres

Peter Blake
Alunos da Primária, 1955
Óleo sobre painel duro, 76 x 49 cm
Museum Ludwig, Colónia, Alemanha

Peter Blake
Tarzan, Jane, Rapaz e Cheeta, 1966-75
Óleo sobre tela, 122 x 92 cm
Galirie Claude Bernard, Paris

Richard Hamilton
Para uma Definição Definitiva das Futuras Tendências da Moda Masculina em Roupas e Acessórios, 1960
Óleo, colagem, folha plástica sobre madeira, 61 x 81,30 cm
The Tate Gallery, Londres

Richard Hamilton
Interior II, 1964
Óleo, colagem, relevo de alumínio sobre madeira, 121,90 x 162,60 cm
The Tate Gallery, Londres

David Hockney
Um grande Chapão, 1967
Acrílico sobre tela, 242,60 x 243,80 cm
The Tate Gallery, Londres

Sem comentários:

Publicar um comentário