segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Frida Kahlo





Frida Kahlo


1907-1954

Dor e Paixão

Para se entender as pinturas de Frida Kalho é necessário conhecer a sua vida.




Magdalena Carmen Frieda Kahlo Calderón nasceu a 6 de Julho de 1907, terceira filha de Matilde Calderón González, mexicana, e de Wilhelm Kahlo, alemão, em Coyoacán, um subúrbio da Cidade do México.
Em 1913, contrai poliomielite, o que a deixa com o pé direito ligeiramente deformado. Frequenta a escola primária no Colegio Alemão, na Cidade do México.
Em 1922 frequenta a Escuela Nacional Preparatoria, como uma das 35 mulheres num total de 2000 alunos. Ela queria estudar ciências naturais, em especial biologia, zoologia e anatomia e esperava vir a ser médica.
Até 1925 os seus dotes artísticos tinham sido apenas encorajados por Fernando Fernández, um amigo do pai que a ensinou a desenhar. Fernández, um respeitável tipógrafo comercial que tinha a sua oficina muito perto da escola de Kahlo, empregou-a como aprendiz assalariada, uma forma de a ajudar financeiramente. Ele pô-la a copiar gravuras do impressionista sueco Anders Zorn e ficou surpreendido com o talento que ela demonstrou ter. Porém, e apesar do seu interesse pela arte, Kahlo afirmou nunca ter pensado em seguir carreira como artista antes de Setembro de 1925, mas os seus planos iriam mudar em breve.
No dia 17 de Setembro de 1925, fica gravemente ferida na colisão entre um eléctrico e o autocarro, em que seguia da escola para casa, com o amigo Alejandro Gómez Arias. Depois do acidente, ficou de cama durante três meses. Depois de inicialmente parecer ter recuperado por completo, começou a sentir dores na coluna e no pé direito. Também se sentia sempre cansada. Aproximadamente um ano depois, deu de novo entrada no hospital. A coluna não fora radiografa na altura do acidente, e só então se descobriu que tinha várias vértebras deslocadas. Durante os nove meses seguintes teve de usar uma série de coletes de gesso. Foi nesses meses que começou a pintar, como forma de evitar o aborrecimento e a dor. “eu senti que ainda tinha energia suficiente para fazer outras coisas sem ser estudar para vir a ser médica. Comecei a pintar sem dar importância a essa actividade” disse ela mais tarde ao crítico de arte António Rodríguez.
Também se colocou um dossel com um espelho que cobria toda a parte de baixo da cama de modo a que Frida se pudesse ver e ser o seu próprio modelo. Assim começaram os auto-retratos que dominaram a obra de Frida Kahlo e que nos permitem ver todas as etapas do desenvolvimento da artista. Ela diria mais tarde “Eu pinto-me, porque estou muitas vezes sózinha e porque sou o tema que melhor conheço”
No fim de 1927, o seu estado de saúde tinha recuperado, ao ponto de Frida poder de novo levar uma vida normal, retomando o contacto com os antigos amigos de escola.
Em 1928 Frida Kahlo juntou-se ao círculo de artistas e intelectuais que defendiam uma arte mexicana independente, livre de qualquer postura académica. Defendiam o regresso às raízes da nação e ao restabelecimento da arte popular mexicana. Através de Modotti, Frida conhece Diego Rivera, que ela já tinha visto na escola preparatória onde ele tinha pintado o seu primeiro mural. Kahlo e Rivera. apaixonam-se um pelo outro. No seu fresco “Balada da Revolução”, que pintou no Ministério da Educação Pública, ele representa-a vestida com uma blusa vermelha e uma estrela ao peito, a distribuir armas para a luta revolucionária. Frida torna-se membro do Partido Comunista Mexicano.
A 21 de Agosto de 1929, Frida Kahlo casa-se com Diego Rivera (1886-1957). O casal vai primeiro viver. num apartamento no centro da Cidade do México e, depois, em Cuernavaca. Diego é expulso do Partido Comunista e Kahlo deixa também o partido.Frida fica grávida, mas devido à posição incorreta do feto, a primeira gravidez de Frida Kahlo é interrompida no princípio do ano de 1930. Rivera recebe encomendas dos EUA, e, em Novembro, o casal muda-se para São Francisco.
No ano seguinte, Frida Kahlo conhece o Dr. Leo Eloesser. Ele tornar-se-á o seu conselheiro médico, em quem ela mais irá confiar até ao fim da vida. Aumentam as dores e a deformidade na perna direita. Em Julho, o casal regressa ao México, por pouco tempo.
Em Abril de 1932, o casal muda-se para Detroit, onde Rivera foi incumbido de um outro trabalho. Ao fim de três meses e meio, a segunda gravidez de Frida Kahlo é interrompida, a 4 de Julho, com um aborto no Hospital Henry Ford. A 15 de Setembro, a mãe da artista morre, durante uma operação de vesícula.
O casal muda-se para Nova lorque em Março de 1933, onde Rivera vai pintar um mural no Rockefeller Center. Regressam ao México, no final do ano, e mudam-se para uma casa nova, em San Angel.
Devido a um <<infantilismo dos ovários>>, a terceira gravidez de Frida Kahlo é novamente interrompida, em 1934, aos três meses. É operada pela primeira vez ao pé direito e vários dedos têm que lhe ser cortados. Diego Rivera tem um romance com Cristina, a irmã mais nova de Frida.
Frida Kahlo deixa a casa de San Angel durante vários meses e aluga o seu próprio apartamento em 1935. Conhece o escultor americano, Isamu Noguchi, com quem tem um romance. Viaja para Nova Iorque com algumas amigas.
Leon Trotsky e Natalia Sedova chegam ao México, a 9 de Janeiro de 1937. Frida Kahlo põe-lhes a “Casa azul” em Coyoacán, à disposição.
André Breton e Jacqueline Lamba chegam ao México, em Abril do ano seguinte, para conhecerem Trotsky. Ficam na casa de Guadalupe Marín, a anterior mulher de Diego Rivera, e conhecem Kahlo e Rivera. A primeira exposição individual dos trabalhos de Frida Kahlo tem lugar em Outubro e Novembro, na galeria de Julien Levy, em Nova lorque. Obtém um grande êxito. Inicia um romance com o fotógrafo Nickolas Muray.
Em 1939 viaja para Paris, onde expõe os seus trabalhos na galeria Renou et Colle, em Março, e conhece os pintores surrealistas. Após o seu regresso ao México, muda-se para a casa da família, em Coyoacán. Frida Kahlo e Diego Rivera divorciam-se, no final do ano.
Em Setembro de 1940, viaja a São Francisco para ser sujeita a um tratamento pelo Dr. Eloesser. Em 8 de Dezembro, Frida Kahlo e Diego Rivera casam-se pela segunda vez.
Em 14 de Abril do ano seguinte, Guillermo Kahlo, pai de Frida morre de ataque cardíaco. Daqui em diante, Kahlo e Rivera passam a viver na “Casa azul”, em Coyoacán. Diego Rivera continua a utilizar a casa de San Angel como estúdio.
Frida Kahlo começa a escrever um diário. Torna-se membro do Seminário de Cultura Mexicana em 1942.
Oferecem-lhe um lugar como professora na Escola de Arte “La Esmeralda” em 1943. Poucos meses depois é forçada a dar as aulas em casa, em Coyoacán, por causa do seu estado de saúde.
Recebe o prêmio nacional do Ministério da Educação Pública em 1946, pelo seu quadro Moisés. Vai para Nova Iorque para ser operada da coluna.
Em 1948 torna-se novamente membro do Partido Comunista Mexicano. Dois anos depois é sujeita a um total de sete operações da coluna e passa nove meses no hospital.
Após ter alta do hospital em 1951, passa a maior parte do tempo numa cadeira de rodas. Desde então, tem que tomar comprimidos para as dores, regularmente.
Ajuda a recolher uma lista de assinaturas a favor do movimento da paz em 1952; Diego mostra-a empenhada dessa maneira no seu mural “O Pesadelo da Guerra e o Sonho da Paz”.
Lola Alvarez Bravo organiza a primeira exposição individual dos trabalhos de Frida Kahlo em 1953, na sua galeria, no México. A artista comparece à abertura deitada numa cama. A perna direita é-lhe amputada até ao joelho.
Contrai pneumonia em 1954, mas, enquanto ainda estava em convalescença, e contrariamente aos conselhos dos médicos, participa numa manifestação contra a intervenção norte-americana na Guatemala.
A 13 de Julho de 1954, na “Casa azul”, morre Frida Kahlo.

Em 1958 abre-se o Museo Frida Kahlo e é apresentado à nação mexicana, de acordo com os desejos de Diego Rivera, que morrera em 1957.


Fontes: Livro: " KAHLO" de Andrea Kettenmann (TASCHEN)

Sem comentários:

Publicar um comentário